Marimbus e Rio Roncador: Chapada Diamantina

Descubra o Pantanal de Marimbus e as lindas piscinas naturais do Rio Roncador no meu primeiro dia de viagem pela Chapada Diamantina, na Bahia.

Depois de uma longa viagem rumo a Lençóis, um dos principais pontos de partida para explorar a Chapada Diamantina, meu primeiro dia de viagem foi rumo ao sul do Parque Nacional.

Acordamos bem cedo em Lençóis e seguimos viagem em direção ao Remanso um trajeto de 20km, sendo 2km de asfalto e 18km de estrada de terra.

Nossa primeira parada do dia foi na Comunidade Quilombola do Remanso, reconhecida hoje como Patrimônio Cultural pelo Ministério da Cultura. Foi ali na comunidade que pegamos canoas para começar o passeio pelas águas tranquilas do Rio Marimbus.

Marimbus: O mini Pantanal da Chapada Diamantina

Todos os rios que nascem no Parque Nacional desaguam em um só local e se acumulam no que é chamado de Mini Pantanal da Chapada Diamantina.

Marimbus, o mini Pantanal da Chapada Diamantina

O passeio de canoa pelo Rio Marimbus foi meu primeiro contato real com a natureza na Chapada Diamantina e foi, sem dúvida, uma experiência diferente de tudo que eu estava esperando.

Marimbus, o mini Pantanal da Chapada Diamantina

As águas tranquilas e escuras do Marimbus são intensas e refletem a natureza ao redor como um espelho perfeito. São cerca de 1h40 percorrendo os caminhos do rio por entre matas nativas e vegetações que remetem muito ao que encontramos no Pantanal Matogrossense.

Marimbus, o mini Pantanal da Chapada Diamantina

Depois da descida do rio temos que caminhar por uma área de mata, beirando uma estrada de terra e em seguida uma pequena trilha que nos leva até as piscinas do Rio Roncador.

Piscinas naturais e cachoeiras do Rio Roncador

O trecho de caminhada é bem tranquilo, tirando os mosquitos que tentam nos devorar vivos – juro que nunca fui atacado por uma quantidade tão grande de mosquitos quanto nessa trilha.

Depois da caminhada, chegamos ao momento refrescante do dia: as piscinas e cachoeirinhas do Rio Roncador.

Piscinas do Rio Roncador, Chapada Diamantina

O cenário em si já é um presente: a cor da pedra, com uma tonalidade rosada, é lindíssima. Nessas pedras a água fez um trabalho magistral e formou dezenas piscinas e cachoeiras.

Piscinas do Rio Roncador, Chapada Diamantina

Piscinas do Rio Roncador, Chapada Diamantina

A água escura nos intriga a primeira vista, mas o mergulho é irresistível. Mais gostoso ainda é sentar e relaxar em uma dessas piscinas – praticamente uma jacuzzi criada pela natureza.

Atenção: apesar de ser um passeio bem tranquilo, é muito importante ter cuidado e estar acompanhado de um guia. Algumas piscinas são bem fundas e a pedra molhada vira um ‘sabão’. Tenha bastante cuidado ao caminhar para evitar acidentes.

Almoço caseiro de fogão à lenha

As surpresas do dia ainda não tinham terminado. Depois de refrescar o calor nas piscinas do Rio Roncador, pegamos a trilha de volta e chegamos em um antigo casarão, da época do garimpo.

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

No ‘Casarão’, como é conhecido, foi onde tivemos um dos melhores almoços da viagem, preparado no fogão à lenha.

Pensa em uma comida boa que só de lembrar me dá água na boca: arroz, feijão, farofa de banana, carne de panela, macarrão, mandioca… pai do céu, era comida que não acabava mais e eu to salivando só de escrever isso.

O almoço é preparado com muito amor pela Dona Val, que nos recebeu com muito carinho e simpatia.

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia
Dona Val, cozinheira de mão cheia.

Depois do almoço, com aquela leseira contagiante, ficamos um bom tempo de prosa com a Dona Val. Conversamos com ela sobre a vida na Chapada, os tempos do garimpo e a casa dela que agora já é famosa. Esse contato com o povo local é uma das experiências que mais gosto e que mais enriquece uma viagem.

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

Confesso que fiquei encantado com O Casarão e com a história desse lugar. Tentei registrar cada detalhe para compartilhar com vocês o que eu senti por lá. É incrível quantas histórias um lugar pode carregar…. quanto sentimento… quanta emoção…

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

O Casarão, Marimbus - Chapada Diamantina, Bahia

Ahhh, e pra quem gosta de um cachacinha, ali n’O Casarão você vai encontrar algumas opções bem diferentes: algumas preparadas com ervas, plantas e outras coisas mais exóticas. Fica esperto no que vai querer experimentar e não se esqueça: aprecie com moderação.

Depois de muito prosear, seguimos caminhando pela estrada até chegar novamente no carro – acompanhados de um turbilhão de mosquitos. Juro que se alguém ficasse parado acabava desaparecendo em meio a nuvem de mosquitos ou, no mínimo, sendo carregado por eles. Eu é que não arrisquei e saí foi correndo… literalmente!

Enfim terminamos a trilha e chegamos em outro ponto onde o carro estava nos esperando. Nossa viagem agora era em direção a Igatu, onde ficamos por duas noites – mas isso você vai acompanhar nos próximos posts

Informações importantes sobre os passeios

Todos os passeios dessa viagem foram feitos com o apoio da Venturas, uma agência que faz uma trabalho incrível na Chapada Diamantina e em vários outros destinos do Brasil e do mundo.

Tivemos a presença de um guia durante todo o dia, nos contando histórias da Chapada, da época do garimpo e de tudo relacionado com a região.

Eu recomendo muito realizar esse passeio com um guia, tenho certeza que sua experiência será muito mais completa, rica em informação, história e também segura.

Dicas para os passeios do dia

 É muito importante o uso de protetor solar e boné/chapéu, principalmente no trajeto de canoa pelo Marimbus. Caso você pegue um dia de céu aberto, o sol e calor vai ser intenso.

Se possível utilize roupas longas, tanto calças quanto camisetas. Procure aquelas opções especiais que não esquentam – além de proteger do sol, elas podem ajudar na luta contra os mosquitos.

Leve repelente.. muito repetente!! Você vai me agradecer!

Tenha na mochila alguma toalha de rosto para secar os pés, é importante principalmente nas piscinas do Roncador.

Aproveite para tomar o cafézinho da Dona Val depois do almoço n’O Casarão, é um café que ela mesma planta, colhe e torra – tudo da forma mais caseira e artesanal possível. Experimente também temperar o café com a rapadura que ela faz, fica incrível

Tudo sobre a Chapada Diamantina

Acompanhe no link abaixo todos os posts sobre a Chapada Diamantina para você programar a sua viagem:

Veja aqui tudo sobre a Chapada Diamantina.

No próximo post você vai conhecer comigo um dos lugares mais lindos da Chapada Diamantina: a Cachoeira do Buracão.


Aproveito para agradecer a SBA pela oportunidade de realizar essa viagem como embaixador da marca no Brasil e no Mundo. Conheça aqui o Blog da SBA.

Se você tiver qualquer dúvida sobre a Chapada Diamantina ou quiser compartilhar a sua experiência por lá, fique a vontade para deixar um comentário por aqui. Grande abraço!!

About The Author

Robson Franzói é um curitibano de 29 anos, formado em design e obcecado por descobrir coisas novas. Em 2012 decidiu correr atrás dos seus sonhos e no seu primeiro mochilão descobriu sua grande paixão: viajar! Amante também da fotografia, o garoto criou esse blog para compartilhar suas histórias, aventuras e clicks pelo mundo. Suas fotos já estão ficando conhecidas, aproveite e acompanhe o Instragram @blogumviajante

Related posts

2 Comments

    1. Robson Franzói

      Lugar incrível né Jota!?!? Pode ser a época sim… pois até hoje nunca vi tantos mosquitos no mesmo lugar. Mas valeu a pena de qualquer forma!!!

      Grande abraço!!!

      Reply

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *